CONTRÁRIO A AUMENTO DE VEREADORES‏

Nilton Bobato denuncia medidas antidemocráticas na Câmara e reafirma voto contrário a aumento de vereadores

Postada em 23 out 2014

Bobato questionou gastos do legislativo iguaçuense em comparação com os de Ponta Grossa, cidade que gasta R$ 3 milhões a menos e tem 21 vereadores com melhor estrutura

Nilton Bobato (PCdoB) criticou, durante a palavra livre da sessão de hoje, 23, os métodos antidemocráticos utilizados pelo Presidente da Casa de Leis, em articulação com o líder do governo, durante a apresentação e votação do projeto de lei que prevê o aumento de 15 para 21 parlamentares, matéria que está sob pedido de vistas do proponente, Hermógenes de Oliveira (PMDB).  Com plenário lotado por manifestantes, os vereadores teriam impedido a discussão do projeto, evitando assim, o debate da proposta e o posicionamento dos parlamentares sobre a matéria. Segundo Nilton Bobato, a manobra serviu para evitar o debate e privilegiou a opinião de dois vereadores favoráveis à proposta. “O presidente alegando que não ouviu que eu havia pedido a palavra antes do líder do governo e este por sua vez, não acatando minha sugestão de que não pedisse vistas antes que mais vereadores se manifestassem, impediu que outros vereadores, incluindo eu, deixassem claro para os manifestantes que lotavam o plenário, para os telespectadores da TV Câmara e os que acompanham pela Internet, suas posições a respeito da proposta”.
A opinião dos vereadores que articularam a manobra foi justificar que a redução de dez cargos comissionados da Mesa Diretora possibilitaria o aumento do número de vereadores sem criar novas despesas. Enquanto os dois parlamentares argumentavam em favor do projeto, o clima ficou tenso. Manifestantes exigiam, em tom de revolta, a retirada do projeto ao proponente, Hermógenes de Oliveira (PMDB), que por sua vez não acatou a sugestão e pediu vistas da proposta. Em protesto à censura instalada na Casa de Leis, Nilton Bobato (PCdoB), Anice Gazzoui (PT) Gessani da Silva (PP)  e Paulo Rocha (PSB) votaram contra o pedido de vistas, na tentativa de restabelecer o direito à manifestação sobre a proposta. “Por isso votei contra o pedido de vistas, pois ele só foi feito para não dar sequência ao debate. A votação foi adiada, mas o debate não”, explicou Bobato.
Nilton Bobato criticou ainda a maneira como a proposição foi feita, sem dialogar com a população, métodos que segundo ele, só servem para denegrir o papel da Casa de Leis, e para ferir a democracia. “A maneira que esse projeto foi apresentado, para não ouvir a população, foi sórdida. A população tem todo o direito de se manifestar, afinal se sentiu ofendida. Casos como esse já aconteceram em Cascavel, quando os vereadores aprovaram, na calada da noite, o aumento das cadeiras, e o reflexo disso foi que dos 21 vereadores apenas 04 dos que participaram do projeto se reelegeram”. 
O vereador disse ainda que a redução dos cargos da Mesa Diretora é pretexto e não resolve os sérios problemas que envolvem a gestão orçamentária da Câmara e reafirmou o posicionamento contrário ao aumento. “Não cairei no conto do vigário de que a redução de alguns cargos da mesa resolve o problema e possibilita o aumento do número de vereadores. Sou contra o aumento de vereadores e precisamos discutir todo o orçamento da Câmara. Não é normal que gastemos R$ 3 milhões a mais que Ponta Grossa e aquela cidade ter 23 vereadores e uma estrutura maior do que a nossa”.

Fonte: Assessoria

Fotografia: Divulgação

CONFIRA A REPORTAGEM EM ÁUDIO

Comentar


Publicidade